domingo, 13 de novembro de 2011

RIO - Ocupação da favela da Rocinha acontece sem muitos problemas

A polícia está ganhando forças ou  a bandidagem está perdendo forças? Como diria um amigo meu,   "a ordem dos tratores não alteram  o viaduto".    

O fato é que nas primeiras horas deste  domingo um verdadeiro  batalhão de policiais entraram  na maior  favela da América Latina e dominaram o pedaço. M ais  uma vez o trabalho  em  conjunto das polícias foi fundamental.

Traficantes foram presos  e  veículos foram apreendidos.

Não foram disparados tiros durante a operação, e a situação é tranquila na região. A ocupação é o primeiro passo para a instalação de uma UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) na comunidade.

Em entrevista, o chefe do Estado Maior da Polícia Militar do Rio, coronel Pinheiro Neto, afirmou que foram ocupadas as favelas da Rocinha, Vidigal e Chácara do Céu. Segundo ele, a situação estava sob domínio da polícia às 6h.

A operação começou às 2h30, com a interdição dos acessos às favelas. O trânsito começou a ser liberado por volta das 7h30 --quando blindados já haviam descido da favela.

Segundo a polícia, cerca de 3.000 homens participaram da ação --que contou com com sete helicópteros, 18 blindados da Marinha e mais sete da Polícia Militar (caveirões). Pinheiro Neto explicou que foram usados 1.300 policiais nas ruas, 194 fuzileiros navais, 186 policiais civis, 160 policiais federais e 46 policiais rodoviários.

Policiais informaram que os traficantes, no início, espalharam barricadas no Vidigal para evitar o avanço dos blindados. Na Rocinha, criminosos espalharam óleo na pista para tentar dificultar o avanço da polícia. Não houve confronto.

Por volta das 6h, foram ouvidos fogos de artifício na Rocinha, possivelmente disparados pelos traficantes. Houve um princípio de incêndio, e durante alguns momentos era possível ver chamas, seguidas de muita fumaça. Não houve nenhuma explosão, e aparentemente o fogo foi causado pela queima de algum material inflamável em alguma ruela ou barraco, deixando a polícia em alerta.

No sábado (12), véspera da ocupação, policiais do Batalhão de Choque reforçaram as revistas a carros e pessoas nos acessos às favelas.

A UPP da Rocinha será a 19ª do Rio. A favela é uma das maiores do Rio, e sua pacificação é considerada chave para a política de segurança da gestão de Sérgio Cabral (PMDB).

 Seria este  o começo do fim para os disgraminhas?

Acompanhe pelo g1. Click   Aqui

Com Folha
Postar um comentário