quinta-feira, 6 de setembro de 2012

MARÍ-PB. CEDHPB realiza audiência pública para tratar da violência no município

Nesta quarta-feira, dia 05 de setembro de 2012, no plenário da Câmara de Vereadores de Mari, o Conselho Estadual dos Direitos Humanos da Paraíba – CEDHPB, realizou audiência pública, onde ativeram presentes o Delegado de Polícia Civil, Dr. Rinaldo Nóbrega, o Comandante do Pelotão de Polícia Militar, Tenente L. Neto, a Presidente da Câmara de Vereadores, Vânia Severo, o Vereador José Martins, o Padre Jardiel da Paróquia de Mari, a Presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Maria, A Secretária de Ação Social, o Assessor da Promotora de Justiça, as irmãs franciscanas e grande número de representantes da sociedade, que lotaram todas as dependências da Câmara de Vereadores de Mari.

Estiveram presentes ainda os Conselheiros Estaduais dos Direitos Humanos Pe. João Bosco, Guiany Coutinho, Marinho Mendes Machado, Duciran Farena, Laura Berquó, Valdênia Lanfranchi, Renato Lanfranchi e Professora Nazaré, além de membros do Núcleo de Direitos Humanos da Universidade Federal da Paraíba.

Na audiência pública foi discutida a violência na cidade de Mari, onde, somente este ano, foram assassinadas 20 pessoas, num horizonte de 22.000,00 habitantes, índice de violência que coloca Mari num dos mais altos índices de violência do mundo, uma vez que o tolerável seria 40 mortes para cada 100.000 habitantes.

O delegado Rinaldo Nóbrega esclareceu que dos 20 homicídios 18foram por conta de drogas e acrescentou que é um grupo que comanda essas mortes em Mari, composto de pessoas que se autodenominam membro da ÓKAIDA, enquanto o Tenente L. Net, informou que está chegando na cidade, tem colocado policiamento e encontra-se à disposição da população.

Todos que se utilizaram da palavra, deixaram claro o clima de terrore o silêncio sepulcral que impera na população de Mari, tendo a Presidente da Câmara de Vereadores informado que um vereador já foi ameaçado pelo tráfico de drogas da cidade, por conta das cobranças que fazia na Câmara de Vereadores.

Serão enviados expedientes ao R. Governador do Estado, ao Secretário de Segurança Pública e Comandante Geral da Polícia Militar, solicitando a elaboração de um plano de segurança pública para Mari, redução imediata do nível de violência e de homicídios em Mari, prestação de segurança aos familiares das vítimas.

Será encaminhado expediente para a Prefeitura Municipal de Mari, solicitando que as ruas sejam bem iluminadas, colocação de câmeras nas artérias principais e nos locais mais perigosos, criação da guarda municipal, assim como, calçamento de ruas, construção de equipamentos para a prática esportiva orientada, criação de projetos segundo tempo a exemplo de um projetos esportivos e culturais, com pagamento de bolsa às crianças e aos adolescentes,retirando-os das ruas.

A população se queixou da falta de um promotor titular na cidade, motivo pelo qual, também será enviado ofício ao R. Procurador Geral de Justiça, solicitando a designação de Promotor de Justiça Titular ou substituto, mas que fique vinculado tão somente à Promotoria de Justiça de Mari.

O Conselho Estadual de Direitos Humanos da Paraíba – CEDHPB,expressou toda a solidariedade aos familiares das vítimas da desenfreada violência de Maria,, colocando o respectivo conselho à disposição das famílias enlutadas e de toda a sociedade, para encaminhamentos, acompanhamentos, orientações, ou qualquer prestação de serviços.

Com Assessoria
Postar um comentário